FANDOM


Netinho na Wikipédia

Celestino José Rodrigues Neto (1976 – Rio de Janeiro, 15 de maio de 1990) foi um aluno do Colégio Militar do Rio de Janeiro e vítima da mentalidade da caserna criada durante a ditadura militar no Brasil (1964-1985).

Aos 14 anos de idade o "Netinho" cursava a oitava série do referido estabelecimento de ensino castrense e, portanto, realizava o seu curso médio regularmente. Em 1990, ao fazer uma prova de geografia, foi acusado de consultar um livro e com base nesse fato recebeu uma pena de suspensão de seis dias, punição esta já bastante pesada para os atuais padrões de civilização.

Não satisfeita, a direção do colégio mandou reunir o corpo discente no pátio e através de um capitão-instrutor (capitão Costa Vaz) procedeu-se a humilhação pública do adolescente, fato agravado pela presença da mãe do aluno no local. Acrescente-se que a mão do menor foi especialmente convocada para assistir a degradação do seu filho.

Dois dias depois da iniqüidade o menino se suicidou, após escrever uma carta pedindo desculpas à genitora, sinal dos seus bons sentimentos e caráter.

Em nota da época, a seção de relações públicas do Exército informou que a "cola" era uma transgressão disciplinar passível de expulsão do aluno do colégio, assim como o homossexualismo e o uso de drogas (Folha de São Paulo, de 18 de maio de 1990).

Evento muito noticiado pela Imprensa, representou um episódio de desrespeito aos direitos humanos que, embora influenciado por práticas de uma ditadura militar recente, reproduziu, também, fatos muito semelhantes ocorridos por diversos motivos em escolas do Brasil e do mundo, como por questões raciais, religiosas, financeiras etc.

Não foi uma simples questão disciplinar resolvida de forma arbitrária, mas um erro do estabelecimento de ensino em conduzi-la de forma atentatória aos princípios da dignidade humana e da civilização. Nesse aspecto tornou-se um fato emblemático e de interesse social.

Cecília Maria Bouças Coimbra, Presidente (em 2009), do Grupo Tortura Nunca Mais, relata este e outros episódios de violências de militares contra militares em "Rede Social de Justiça e Direitos Humanos".

Referências

Ver também